domingo, 12 de julho de 2015

AREIAS POETISADAS







Que de invejar eu morra pela paixão que tenho
Em todos os ciumes de todas as mulheres
Que o meu fremente seio te avise de  que venho
Buscar o que desejo, buscar o que me deres...

Que todas essas putas respeitem meus quereres
Por que dos homens loucos és o único que quero
Porque na madrugada apaixonada espero
Ser  a fogosa amante que morre em teus prazeres...

Eu quero a poesia que leio em tua boca
Ainda que no martírio de ler-te eu agonize
E caia no teu corpo qual doidivana louca
Pedindo que me tenhas e que me poetize...

E num  inferno polar busco o calor do sol
No queimar d'um deserto de tão  brancas areias
Meu poeta que chega  de um lindo arrebol
Ansiando por mares e as malditas sereias!...


Dorothy de Castro

quarta-feira, 8 de julho de 2015

MEU ANIMAL





MEU BELO ANIMAL ÀS VEZES
ME DESEJA MAIS AFOITO...
ME PÕE DE QUATRO E SOBE
SOBRE MIM E GRITA GOZO
AFORA...MEU ANIMAL ME AMA
NESSA CAMA... ME ADORA!!!

Dorothy de Castri....

LEMBRO DE NÓS




O que fazer para que esse desejo se satisfaça
em nossos corpos distantes? O que é preciso
para que eu te mostre o gosto do meu eu quando
estou longe de ti amor meu?
Quem sabe eu me faça uma mulher safada e de
vontades vadias quando me lembro de nós...
É que hoje, aqui à sós eu passo à te querer um
pouco mais e o meu trepar contigo é algo que
incendeia o corpo, a veia...A minha voz!


Dorothy de Castro